PRODUÇÃO ACADÊMICA Repositório Acadêmico da Graduação (RAG) TCC Enfermagem
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.pucgoias.edu.br/jspui/handle/123456789/184
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.creatorALVES, RAYSSA STÉFANI SOUSA-
dc.creatorOLIVEIRA, ANNA FLÁVIA DE BASTOS MANSO-
dc.date.accessioned2020-12-07T18:45:11Z-
dc.date.available2020-12-07T18:45:11Z-
dc.date.issued2020-10-09-
dc.identifier.urihttps://repositorio.pucgoias.edu.br/jspui/handle/123456789/184-
dc.description.abstractIntroduction: The insertion of men in Public Health Programs is still a very big challenge for Health Services. The main difficulties for men are not to admit and accept their vulnerabilities, as well as, not to appreciate the importance of health care. The vast majority of the male population seeks care only when they are affected by a serious illness, which causes an important concern with Men's Health by the Health Services. Objective: To discuss what the literature presents about the perception of male patients and nursing professionals. Understand the causes of man's resistance in attending the Primary Health Service, and the actions exercised by nurses in order to stimulate men's access to Primary Health Care Services. Method: The study is an integrative literature review, with a qualitative approach. Comprising the years 2000 to 2020. The survey of the content search took place between the months of March to September 2020, through the active search for articles indexed in the following databases: Scielo, BVS, Google Scholar, PubMed, Lilacs , Nursing Journals. For the analysis and structuring of the data, critical reviews were carried out, being grouped by categorization. Results: From the literature review and analysis of the selected studies, we found a total of 99 scientific articles, and 12 studies referring to health entities indexed in the electronic databases, about the proposed theme. Discussion: The categories of data analysis found in this study were: Hegemonic masculinity; Harm to Men's Health; The reasons for the low demand of men in Primary Health Care services; Emergency Health Services: gateway to the male population; inclusion of men in partner 's prenatal care; Nurses' perception of the presence and demands of men in Health Services; Nurses' actions to promote access of the male population to Health Services; Standardization of the Men's Health Program. Conclusion: We can see that, among the causes that covers the resistance of men to adherence, the actions of Health Services in Primary Care are based on hegemonic masculinity, where men idealize themselves as a strong, virile being, head of the family, unable to fall ill, thus demonstrating its vulnerability and fragility. Among other factors, we can highlight the delay to be attended, absence of diseases, fear of discovering serious illness, lack of welcome by health professionals, lack of time, incompatible schedules, impatience, shame to expose, lack of specialists and solving health needs and mainly. Given the above, the nurse plays an important role in the development of actions for the insertion of the male audience in PHC, highlighting the application of continuing education, aiming at the improvement and training of the whole team, the planning of strategies, programs and actions intending to health promotion and prevention. Emphasizing the importance of new studies on the theme of Man and Health, aiming at the improvement of ideas and knowledge of PNAISH, establishing a better understanding of the theme.pt_BR
dc.description.sponsorshipNão recebi financiamentopt_BR
dc.languageporpt_BR
dc.publisherPontifícia Universidade Católica de Goiáspt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectAtenção Primária à Saúde,pt_BR
dc.subjectMasculinidade.pt_BR
dc.subjectSaúde do Homem,pt_BR
dc.subjectVulnerabilidade em Saúde,pt_BR
dc.subjectEducação em Saúde,pt_BR
dc.titleREVISÃO DE LITERATURA: ANÁLISE DA RESISTÊNCIA DO HOMEM AOS SERVIÇOS DE ATENÇÃO BÁSICA E AS CONTRIBUIÇÕES DO ENFERMEIRO.pt_BR
dc.typeTrabalho de Conclusão de Cursopt_BR
dc.contributor.advisor1ARAÚJO, LORENA APARECIDA DE OLIVEIRA-
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/1655462345908495pt_BR
dc.contributor.referee1CELESTINO, KENIA ALESSANDRA DE ARAÚJO-
dc.contributor.referee1Latteshttp://lattes.cnpq.br/3911231035866516pt_BR
dc.contributor.referee2ABED, MARCELO MUSA-
dc.contributor.referee2Latteshttp://lattes.cnpq.br/6897028880856869pt_BR
dc.description.resumoIntrodução: A inserção do homem nos Programas de Saúde Pública ainda é um desafio muito grande para os Serviços de Saúde. As principais dificuldades dos homens consistem em não admitir e aceitar as suas vulnerabilidades, bem como, não prezar a importância do cuidado com a saúde. Grande maioria da população masculina procura atendimentos apenas quando são acometidos por alguma enfermidade grave, o que provoca uma importante preocupação com a Saúde do Homem pelos Serviços de Saúde. Objetivo: Discorrer o que a literatura apresenta acerca da percepção de pacientes do sexo masculino e profissionais de enfermagem. Compreender as causas de resistência do homem no atendimento ao Serviço Primário em Saúde, e as ações exercidas pelos enfermeiros a fim de estimular o acesso dos homens aos Serviços de Atenção Primária à Saúde. Método: O estudo trata-se, de uma revisão integrativa de literatura, com abordagem qualitativa. Compreendendo os anos de 2000 a 2020. O levantamento da busca de conteúdo, ocorreu entre os meses de março a setembro de 2020, por meio da busca ativa de artigos indexados nas seguintes bases de dados: Scielo, BVS, Google Scholar, PubMed, Lilacs, Revistas de Enfermagem. Para a análise e estruturação dos dados foram realizadas resenhas críticas, sendo agrupadas por meio da categorização. Resultados: A partir da revisão de literatura e análise dos estudos selecionados, encontramos um total de 99 artigos científicos, e 12 estudos referentes a entidades de saúde indexados nas bases de dados eletrônicas, acerca da temática proposta. Discussão: As categorias de análise dos dados encontrados neste estudo foram: Masculinidade hegemônica; Agravos à Saúde dos Homens; Os motivos da baixa demanda do homem nos serviços de Atenção Primária à Saúde; Serviços de Saúde Emergenciais: porta de entrada à população masculina; inclusão do homem no Pré – Natal do parceiro; A percepção dos enfermeiros sobre a presença e as demandas dos homens nos Serviços de Saúde; Ações dos enfermeiros para promover o acesso da população masculina aos Serviços de Saúde; Normatização do Programa Saúde do Homem. Conclusão: Podemos constatar que, entre as causas que abrange a resistência do homem frente a adesão as ações dos Serviços a Saúde na Atenção Primária baseiam-se na masculinidade hegemônica, onde o homem se idealiza como um ser forte, viril, chefe de família, incapaz de adoecer, demonstrando assim a sua vulnerabilidade e fragilidade. Dentre outros fatores podemos destacar a demora para ser atendido, ausência de doenças, medo de descobrir doença grave, falta de acolhimento por parte dos profissionais de saúde, falta de tempo, incompatibilidade dos horários, impaciência, vergonha de se expor, falta de especialistas e de resolutividade das necessidades de saúde e principalmente. Diante o exposto, o enfermeiro desenvolve um papel importante no desenvolvimento de ações para a inserção do público masculino na Atenção Primária a Saúde, destacando a aplicação de educação continuada, visando o aperfeiçoamento e capacitação de toda a equipe, o planejamento de estratégias, programas e ações tencionando a promoção e prevenção a saúde. Salientando a importância de novos estudos acerca da temática Homem e Saúde, intentando o aprimoramento de ideias e conhecimento da Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem, estabelecendo melhor compreensão sobre a temática.pt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.departmentEscola de Ciências Sociais e da Saúdept_BR
dc.publisher.initialsPUC Goiáspt_BR
dc.subject.cnpqPromoção a saúdept_BR
dc.relation.referencesREFERÊNCIAS AGUIAR, R. S., SANTANA, D. C.; SANTANA, P. C. A percepção do enfermeiro da estratégia saúde da família sobre a saúde do homem. Revista de Enfermagem do Centro-Oeste Mineiro, 5(3), 1844-54, 2015. Disponível: <http://www.seer.ufsj.edu.br/index.php/recom/article/view/872>. Acesso: 19/09/2020. ALBANO, B.R.; BASÍLIO, M.C.; NEVES, J.B. Desafios para a inclusão dos homens nos serviços de Atenção Primária à Saúde. Revista de Enfermagem Integrada 2010;3(2):554-63. Disponível em: Disponível: http://www.unilestemg.br/enfermagemintegrada/artigo/V3_2/08-desafios-parainclusao-dos-homens-em-servicos-primarios-de-saude. Acesso: 25/09/2020. ALBUQUERQUE, G.A.; LEITE, M.F.; BELÉM, J.M.; NUNES, J.F.C.; OLIVEIRA, M.A.; ADAMI, F. O homem na atenção básica: percepções de enfermeiros sobre as implicações do gênero na saúde. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem. 2014 out/ dez;18(4):615-21. http://dx.doi.org/10.5935/1414-8145.20140086. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ean/v18n4/1414-8145-ean-18-04-0607.pdf acesso em: 08/10/2020. ALVES, A. N.; COURA, A. S.; FRANÇA, I. S. X.; MAGALHÃES, I. M. O.; ROCHA, M. A.; ARAÚJO, R. S.; Acesso de primeiro contato na atenção primária: uma avaliação pela população masculina. Revista Brasileira de Epidemiologia Jul. 2020. Disponível em: https://www.scielosp.org/article/rbepid/2020.v23/e200072/pt/ Acesso em: 07/10/2020. ALVES, B.M.S.; ARAÚJO; C.J.S.; ALMEIDA, S.L.S.; GUIMARÃES, A.L.S. Atuação do enfermeiro da Atenção Básica diante das dificuldades para a implementação da Política de Saúde do Homem. Revista de Enfermagem UFPE online., Recife, 11(Supl. 12):5391-401, dez., 2017. Disponível em: <file:///C:/Users/Multilaser/Downloads/110143-76681-1-PB.pdf>. Acesso em: 19/04/2020. ALVES, R.F.; SILVA, R.P.; ERNESTO, M.V.; LIMA, A.G.B.; SOUZA, F.M. Gênero e saúde: o cuidar do homem em debate. Revista Psicologia: Teoria e Prática 2011; 13(3):152-166. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-36872011000300012. Acesso: 21/09/2020. ANDRADE, L.O.M.; BARRETO, I.C.H.C.; BEZERRA, R.C. Atenção Primária a Saúde e Estratégia Saúde da Família In: Campos GWS, MINAYO MCS, AKERMAN M, DRUMOND Junior M, CARVALHO Y, organizadores. Tratado de Saúde Coletiva. São Paulo: Hucitec/Fiocruz; 2008. p. 783-836. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_nlinks&ref=000140&pid=S1413-8123201100070003000014&lng=en Acesso em: 27/09/2020. ARAÚJO, J.L.C.; MACIEL, F.R. Desenvolvimento de uma estrutura operacional para análise de políticas de saúde. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil. 2001, vol.1, n.3, pp.203-221. ISSN 1519-3829. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1519-38292001000300002&script=sci_abstract. Acesso: 25/09/2020. ARAÚJO, M.; LIMA, G.; HOLANDA, C.; CARVALHO, J.; CÂMARA, A. Saúde do Homem: Ações e Serviços na Estratégia Saúde da Família. Revista de Enfermagem UFPE on line. 2014, 8(2):264-71. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/download/9670/9703. Acesso: 08/10/2020. ASSIS, M.M.A; JESUS, W.L.A. Acesso aos Serviços de Saúde: abordagens, conceitos, políticas e modelo de análise. Ciência & Saúde coletiva, 2012; 17(11): 2865-75. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/csc/v17n11/v17n11a02.pdf acesso em: 05/10/2020. ASSIS, N. O.; RODRIGUES, J.; CHRISTÓFORO, B. E. B.; TACSI, Y. R. C.; Atuação dos enfermeiros frente à Política Nacional de Atenção Integral a Saúde do Homem: um estudo exploratório. Arquivos de Ciências da Saúde UNIPAR, Umuarama, v. 22, n. 3, p, 151-156, set./dez. 2018. Disponível em: https://www.revistas.unipar.br/index.php/saude/article/view/6397/3670. Acesso em: 20/09/2020. BALICA, L. O. e AGUIAR, R. S. Percepções paternas no acompanhamento do pré-natal. Revista de Atenção à Saúde, 17(61), 114-126, 2019. Disponível: <https://seer.uscs.edu.br/index.php/revista_ciencias_saude/article/view/5934>. Acesso: 19/09/2020. BARBOSA, Y. O.; MENEZES, L. P. L.; SANTOS, J. M. J.; et al. Acesso dos Homens aos Serviços de Atenção Primária à Saúde. Revista de Enfermagem UFPE online. 2018, vol. 12, ISSN: 1981-8963. Recife, Brasil. Disponível em: file:///C:/Users/User/Downloads/237446-125952-1-PB.pdf. Acesso em: 08/03/2020. BARBOZA R, ROCHA ATS. Acesso da população masculina aos serviços de saúde: alguns caminhos para o enfrentamento de vulnerabilidades. BIS. Boletim do Instituto de Saúde, São Paulo. 12(2), 2010. Disponível em:http:www.periódicos.ses.sp.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=51518-18122010000200015&ing=ptnrm=isso.&tlng=pt. Acesso em: 08/10/2020. BARKER, G.; GREENE, M. 2011. “¿Qué tienen que ver los hombres com esto?: Reflexiones sobre la inclusión de los hombres y las masculinidades en las políticas públicas para promover la equidad de género. Masculinidades y políticas públicas. Involucrando hombres en la equidad de género”. Santiago: Universidad de Chile/Cultura Salud/ EME. p. 23-49. Disponível em: http://biblio.uchile.cl/client/es_ES/sisib/search/detailnonmodal?qu=Igualdad+de+g%C3%A9neros.&d=ent%3A%2F%2FSD_ILS%2F0%2FSD_ILS%3A652347%7E%7E0&ic=true&ps=1000 acesso em: 04/10/2020. BARRETO, M.S.; ARRUDA, G.O.; MARCON, S.S. Como os homens adultos utilizam e avaliam os Serviços de Saúde. Revista Eletrônica de Enfermagem, v. 17, n. 3, jul./set, 2015. Disponível em: https://revistas.ufg.br/fen/article/view/29622. Acesso em: 22/08/2020. BENAZZI, A. S. T.; LIMA, A. B. S.; SOUSA, A. P.; PRÉ – NATAL MASCULINO: UM NOVO OLHAR SOBRE A PRESENÇA DO HOMEM. Revista de Políticas Públicas, vol. 15, n. 02, p. 327-333, jul/dez. 2011.Disponível em: http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/rppublica/article/view/849 Acesso em: 10/09/2020. BENEFIELD, L. E.; Implementing evidence-based practice in home care. Home Healthc Nurse. 2003;21(12):804-811. Doi:10.1097/00004045-200312000-00005 Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/14665967/ Acesso em: 25/08/2020. BERTOLINI, D. N. P.; SIMONETTI, J. P. O gênero masculino e os cuidados de saúde: a experiência de homens de um centro de saúde. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, 18(4), 722-27, 2014. Disponível: <https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1414-81452014000400722&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso: 19/09/2020. BEYEA, S. C.; NICOLL LH. Writing an integrative review. AORN JOURNAL. 1998 Apr; 67(4):877-80. Disponível em: https://aornjournal.onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1016/S0001-2092%2806%2962653-7 Acesso em: 25/08/2020. BEZERRA, E. A. F.; JÚNIOR, J. J. A.; O PAPEL DO ENFERMEIRO NA PROMOÇÃO À SAÚDE DO HOMEM: O CONTEXTO DAS UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE DA CIDADE DE MACAÍBA/RN. Sanare, sobral. Vol.13, n. 2, Macaíba/RN. jun./dez. – 2014. Disponível em: https://sanare.emnuvens.com.br/sanare/article/view/568/302 Acesso em: 22/04/2020. BONITO, R.F.; LANDÓ, L.; COSTA, D.S.R. Discutindo saúde do homem em unidades básicas de saúde da família, em Uberlândia-MG. Em Extensão, v. 9, n. 1, 15 out. 2010. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/revextensao/article/view/20556/10965 acesso em: 04/10/2020. BRASIL, Ministério da saúde. Atenção de pré-natal de baixo risco. Brasília: Ministério da saúde, 2012. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes /cadernos_atencao_basica_32_prenatal.pdf. Acesso em: 26/09/2020. BRASIL, Ministério da Saúde. Portaria n. 1.944, de 27 de agosto de 2009. Institui no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. Diário Oficial da União, Brasília (DF), 28 ago 2009: Seção1: 1. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2009/prt1944_27_08_2009.html>. Acesso: 25/09/2020. BRASIL. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Atenção Primária e Promoção da Saúde. Brasília: Conselho Nacional de Secretários de Saúde; 2011. Disponível em: https://www.conass.org.br/bibliotecav3/pdfs/colecao2011/livro_1.pdf acesso em: 05/10/2020. BRASIL. Ministério da Saúde (MS). Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de gestão Estratégica e Participativa. Vigitel Brasil 2011: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília: MS; 2012. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretária de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem, 2008. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_atencao_homem.pdf. Acesso em: 04/04/2020. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretária de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. Princípios e diretrizes. Brasília – DF, Dezembro, 2009. Disponível em: http://www.unfpa.org.br/Arquivos/saude_do_homem.pdf. Acesso em: 04/04/2020. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Articulação Interfederativa. Caderno de Diretrizes, Objetivos, Metas e Indicadores: 2013 – 2015 / Ministério da Saúde, Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Articulação Interfederativa. – Brasília: Ministério da Saúde, 2013. Disponível em: http://189.28.128.100/sispacto/caderno.pdf acesso em: 08/10/2020. BRAZ, M. A construção da subjetividade masculina e seu impacto sobre a saúde do homem: reflexão bioética sobre justiça distributiva. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 10, n.1, 2005. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232005000100016 acesso em: 04/10/2020. BRITO, R. S.; SANTOS, D. L.; MACIEL, P. S. Olhar masculino acerca do atendimento na Estratégia Saúde da Família. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste – Rev. Rene, v. 11, n. 4, p. 135-142, 2010. Disponível em:http://www.periodicos.ufc.br/rene/article/view/4635/3463. Acesso em: 31/03/2020. BRITO, R.S.; SANTOS, D.L.A. Percepção de homens hipertensos e diabéticos sobre a assistência recebida em Unidade Básica de Saúde. Revista Eletrônica de Enfermagem, 2011. 13(4):639-47. Disponível em: http://www.fen.ufg.br/revista/v13/n4/v13n4a07.html. Acesso: 25/09/2020. BROOME, M. E.; Integrative literature reviews for the development of concepts. In: RODGERS BL, KNAFL KA, editors. Concept development in nursing: foundations, techniques and applications. Philadelphia (USA): W.B Saunders Company; 2000. p.231-50. Disponível em: https://www.scirp.org/(S(lz5mqp453edsnp55rrgjct55))/reference/ReferencesPapers.aspx?ReferenceID=2010276 Acesso em: 25/08/2020. BUSS, P.M. Promoção da saúde e qualidade de vida. Ciência & Saúde Coletiva. 2000; 5(1):163-77. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232000000100014&script=sci_abstract&tlng=pt acesso em: 04/10/2020. BUSS, P.M.; PELLEGRINI FILHO, A.P. A saúde e seus determinantes sociais. Revista Saúde Coletiva. 2007 abr;17(1):77-93. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/physis/v17n1/v17n1a06.pdf acesso em: 08/10/2020. CABACINHA, R.O.M; MORAES, C.D.; BARBOSA, A.D.S.; PINHO, H.A.L. Condições sociodemográficas e de saúde autorreferidas de homens em uma unidade de saúde. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste – Rev. Rene2014 set-out; 15(5):804-11. Disponível em: http://periodicos.ufc.br/rene/article/view/3247/2502. Acesso em: 04/04/2020. CACCIA-BAVA, M.C.G.; PEREIRA, M.J.B.; ROCHA, J.S.Y.; MARTINEZ, E.Z. Pronto atendimento ou atenção básica: escolhas dos pacientes no SUS. Revista de Medicina, 2011;44(4):347-54. Disponível: <http://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/47446>. Acesso: 19/09/2020. CARNEIRO, L.M.R.; SANTOS, M.P.A.; MACENA, R.H.M.; VASCONCELOS, T.B. Atenção Integral à Saúde do Homem: um desafio na Atenção Básica. Revista Brasileira Promoção a Saúde, Fortaleza, 29(4): 554-563, out./dez., 2016. Disponível em: <https://periodicos.unifor.br/RBPS/article/view/5301/pdf>. Acesso: 02/10/2020. CARRARA, S.; RUSSO, J.A.; FARO, L. A política de atenção à saúde do homem no Brasil: os paradoxos da medicalização do corpo masculino. Physis 2009; 19(3): 659-678. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/physis/v19n3/a06v19n3.pdf>. Acesso: 25/09/2020. CASSARO, J.E.; FERRTE, L.E. Percepção masculina em relação à sexualidade e uso dos métodos contraceptivos, Revista Faz Ciência, v. g, p.277-298 Jan./Jul. 2007. Disponível em: http://saber.unioeste.br/index.php/fazciencia/article/view/7506/5547 Acesso: 25/09/2020. CAVALCANTI, J. R. D.; FERREIRA, J. A; HENRIQUES, A. H. B.; MORAIS, G. S. N.; TRIGUEIRO, J. V. S.; TORQUATO, I. M. B. Assistência Integral a Saúde do Homem: necessidades, obstáculos e estratégias de enfrentamento. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, vol. 18, n.4, p. 628-634, 2014. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ean/v18n4/1414-8145-ean-18-04-0628.pdf Acesso em: 22/08/2020. COFEN - Resolução COFEN nº. 311/2007: Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem. Disponível em < http: // www.portalcofen.gov>. Acesso em 08/10/2020. COFEN. Resolução 311/2007. Aprova a reformulação do código de ética dos profissionais de Enfermagem. 2007. Disponível em: http://novo.portalcofen.gov.br/resoluo-cofen-3112007_4345.html acesso em: 08/10/2020. CORDEIRO, S. V. L., FONTES, V. D., FONSÊCA, R. L. S. e BARBOZA, T. M. Atenção básica à saúde masculina: possibilidades e limites no atendimento noturno. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, 18(4), 644-49, 2014. Disponível: https://www.scielo.br/pdf/ean/v18n4/1414-8145-ean-18-04-0644.pdf. Acesso: 19/09/2020. COUTO, M.T., PINHEIRO, T.F., VALENÇA, O., MACHIN, R., SILVA, G.S.N., GOMES, R., et al. O homem na atenção primária à saúde: discutindo (in)visibilidade a partir da perspectiva de gênero. Interface - Comunicação, Saúde e Educação, 2010;14(33):255-70. Disponível em:http://www.scielo.br/pdf/icse/v14n33/a03v14n33.pdf. Acesso em: 24/03/2020. COUTO, M.T.; GOMES, R. “Homens, saúde e políticas públicas: a equidade de gênero em questão”. Ciência & Saúde Coletiva, 2012. Nº. 17, p. 2569-78. Disponível: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232012001000002&script=sci_abstract&tlng=pt acesso em: 04/10/2020. DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S.; Introdução: a disciplina e a prática da pesquisa qualitativa. In: DENZIN, N. K. e LINCOLN, Y. S. (Orgs.). O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2006. p. 15-41. Disponível em: https://corpoemtransito.wordpress.com/2015/04/08/denzin-lincoln-2006/ Acesso em: 25/08/2020. DOMINGUEZ, B. Hora de quebrar paradigmas. Radis: comunicação em saúde. 2008 out; 74:08-9. Disponível em: https://radis.ensp.fiocruz.br/phocadownload/revista/Radis74_web.pdf . Acesso: 25/09/2020. DUARTE, G. Extensão da assistência pré-natal ao parceiro como estratégia de aumento da adesão ao pré-natal e redução da transmissão vertical de infecções. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia. 2007; 29(4): 171-4. Disponível em: http://www.scielo.br/ pdf/rbgo/v29n4/a01v29n4.pdf. Acesso em: 26/09/2020. DUARTE, S.J.H.; OLIVEIRA, J.R.; SOUZA, R.R. A Política Saúde do Homem e sua operacionalização na Atenção Primária à Saúde. Revista Eletrônica Gestão e Saúde, Vol.03, Nº. 01, Ano 2012 p. 308-317. Disponível: <https://periodicos.unb.br/index.php/rgs/article/view/102/97>. Acesso em: 04/07/2020. EID, A.; KOHN, K.; MOTTA, R. Política de saúde do homem: para além do que se vê. Diaphora. 2012;12(2):70. Disponível em: <http://www.sprgs.org.br/diaphora/ojs/index.php/diaphora/article/view/74>. Acesso: 02/10/2020. EYKEN, E.B.B.D.V.; MORAES, C.L. Prevalência de fatores de risco para doenças cardiovasculares entre homens de uma população urbana do Sudeste do Brasil. Caderno de Saúde Pública 2009; 25(1):111-123. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/csp/v25n1/12.pdf>. Acesso: 02/10/2020. FERREIRA, T. N.; ALMEIDA, D. R.; BRITO, H. M.; CABRAL, J. F.; MARIN, H. A.; CAMPOS, F. M. C.; MARIN, H. C. A importância da participação paterna durante o pré-natal: percepção da gestante e do pai no município de Cáceres – MT. Revista Eletrônica Gestão e Saúde, Vol. 05, n. 02 p. 337-345, 2014. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/rgs/article/view/432/415 Acesso em: 10/09/2020. FIGUEIREDO, W. Assistência à saúde dos homens: um desafio para os serviços de atenção primária. Ciência & Saúde Coletiva. 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v10n1/a11v10n1.pdf. Acesso em: 24/03/2020. FIGUEIREDO, W. S.; SCHRAIBER, L. B. Concepções de gênero de homens usuários e profissionais de saúde de serviços de atenção primária e os possíveis impactos na saúde da população masculina. Ciência & Saúde Coletiva, v. 16, n. 1, p. 935-44, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v16s1/a25v16s1.pdf. Acesso em: 24/03/2020. FONTES, W.D.; BARBOZA, T.M.; LEITE, M.C.; FONSECA, R.L.S.; SANTOS, L.C.F.; NERY, T.C.L. Atenção à saúde do homem: interlocução entre ensino e serviço. Universidade Federal da Paraíba - Cidade Universitária - João Pessoa - PB – Brasil. Acta Paul Enferm 2011;24(3):430-33. Disponível: <https://www.scielo.br/pdf/ape/v24n3/20.pdf>. Acesso: 21/08/2020. FRANCO, T.B.; MERHY, E.E. Programa de Saúde da Família (PSF): contradições de um programa destinado à mudanças no modelo tecnoassistencial. In: Merhy EE et al, organizador. O trabalho em saúde: olhando e experienciando o SUS no cotidiano. 4ª ed. São Paulo (SP): Hucitec; 2006. Disponível em: <http://www.professores.uff.br/tuliofranco/wp-content/uploads/sites/151/2017/10/11PSF-contradicoes.pdf>. Acesso: 25/09/2020. FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ. Saúde do homem: Nova política de atenção quer levar o “sexo forte” aos postos. Radis comunicação em saúde. Nº 74 p. 1-20, out. 2008. Disponível em: https://radis.ensp.fiocruz.br/phocadownload/revista/Radis74_web.pdf Acesso em: 06/05/2020. GIUMBELLI, G.R.; BONAMIGO, E.L. Os desafios na inclusão da população masculina na atenção primária. Trabalho de conclusão do curso de especialização em Saúde Coletiva: Estratégia Saúde da Família da Universidade do Oeste de Santa Catarina UNOESC, Campos Novos- SC, 2014. Disponível em: <http://www.uniedu.sed.sc.gov.br/wp-content/uploads/2016/09/unoesc-GRACIELI-ROSSETTI-GIUMBELLI.pdf>. Acesso: 25/09/2020. GOMES, R. Sexualidade masculina e saúde do homem: proposta para uma discussão. Ciência & Saúde Coletiva. 2003;8(3):825-9. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232003000300017&script=sci_abstract&tlng=pt acesso em: 04/10/2020. GOMES, R., REBELLO, L.E.F.S., NASCIMENTO, E.F., DESLANDES, S.F., MOREIRA, M.C.N. A atenção básica à saúde do homem sob a ótica do usuário: um estudo qualitativo em três serviços do Rio de Janeiro. Ciência & Saúde Coletiva, 2011a, 16(11):4513-21. Disponível em:http://www.scielo.br/pdf/csc/v16n11/a24v16n11.pdf. Acesso em: 24/03/2020. GOMES, R., SCHRAIBER, L.B., COUTO, M.T., VALENÇA, O.A.A., SILVA, G.S.N., FIGUEIREDO, W.S., et al. O atendimento à saúde de homens: estudo qualitativo em quatro estados brasileiros. Revista de Saúde Coletiva Instituto de Medicina Social, 2011b; 21(1):113-28. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/physis/v21n1/v21n1a06.pdf. Acesso em: 08/03/2020. GOMES, R.; NASCIMENTO, E. F.; ARAÚJO, F. C. Por que os homens buscam menos os serviços de saúde do que as mulheres? As explicações de homens com baixa escolaridade e homens com ensino superior. Cadernos de Saúde Pública, v. 23, n. 3, p. 565-74, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v23n3/15.pdf. Acesso em: 01/04/2020. GOMES, R.; NASCIMENTO, E.F. A produção do conhecimento da saúde pública sobre relação homem-saúde: uma revisão bibliográfica. Caderno de Saúde Pública. 2006 vol.22, n.5, pp.901-911. ISSN 1678-4464. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/csp/v22n5/03.pdf>. Acesso: 25/09/2020. GOMES, R.; RABELLO, MOREIRA, M.C.N.; NASCIMENTO, E.F.; REBELLO, L.E.F.S.; COUTO, M.T.; SCHRAIBER, L.B. Os homens não vêm! Ausência e/ou invisibilidade masculina na atenção primária. Ciência & Saúde Coletiva, 16(Supl. 1):983-992, 2011. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/csc/v16s1/a30v16s1.pdf . Acesso: 08/10/2020. GOMIDE, M. F. S.; PINTO, I. C.; GOMIDE, D. M. P.; ZACHARIAS, F. C. M. Perfil de usuários em um serviço de pronto atendimento. Medicina (Ribeirão Preto), [S. l.], v. 45, n. 1, p. 31-38, 2012. DOI: 10.11606/issn.2176 7262.v45i1p31-38. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/47569. Acesso em: 04/07/2020. HARZHEIM, E.; OLIVEIRA, M. M. C. de; AGOSTINHO, M. R.; HAUSER, L.; STEIN, A. T.; GONÇALVES, M. R.; TRINDADE, T. G. da; BERRA, S.; DUNCAN, B. B.; STARFIELD, B. Validação do instrumento de avaliação da atenção primária à saúde: PCATool-Brasil adultos. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, Rio de Janeiro, v. 8, n. 29, p. 274-284, 2010. DOI: 10.5712/rbmfc8(29)829. Disponível em: https://www.rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/829. Acesso em: 5 out. 2020. HENZ, G.S.; MEDEIROS, C.R.G.; SALVADORI, M. A inclusão paterna durante o pré-natal. Revista de Enfermagem da Atenção à Saúde (online)- Jan/Jun- 2017. Disponível em: http://seer.uftm.edu.br/revista eletrônica/index.php/enfer/article/view/2053 Acesso em: 26/09/2020. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Brasil: tábua completa de mortalidade 2010. Rio de Janeiro: INGE; 2011. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/populacao/9126-tabuas-completas-de-mortalidade.html?=&t=downloads Acesso em: 27/09/2020 INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo Demográfico e Contagem da População. Rio de Janeiro: IBGE, 2013. Disponível em: https://sidra.ibge.gov.br/Tabela/1378. Acesso: 25/09/2020. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo Demográfico e Contagem da População. Rio de Janeiro: IBGE, 2008. [Acessado 2013 fev. 20] Disponível em: https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/censo-demografico/demografico-2010/inicial JULIÃO, G. G.; WEIGELT, L. D. Atenção à saúde do homem em unidades de estratégia de saúde da família. Revista de Enfermagem da UFSM, Santa Maria, RS, v.1, n.2, p.144-152, maio/ago. 2011. Disponível em: <https://periodicos.ufsm.br/reufsm/article/view/2400/1743>. Acesso: 03/05/2020. KANUTH, D.R.; COUTO, M.T.; FIGUEIREDO, W.S. A visão dos profissionais sobre a presença e as demandas dos homens nos serviços de saúde: perspectivas para a análise da implantação da Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. Ciência & Saúde Coletiva, 17(10):2617-2626, 2012. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/csc/v17n10/11.pdf>. Acesso em: 04/07/2020. KEIJER, B. Hasta donde el cuerpo aguante: género, cuerpo e salud masculina. In: Cáceres C, Cueto M, Ramos M, Vallenas SM, compiladores. La salud como derecho ciudadano: perspectivas y propuestas desde América Latina. Lima: Universidad Peruana Cayetano Heredia; 2003. p. 137- 52. Disponível em: http://www.scielo.org.mx/scieloOrg/php/reflinks.php?refpid=S0036-3634200800040000900017&lng=es&pid=S0036-36342008000400009 acesso em: 27/09/2020. KNAUTH, D.R.; COUTO, M.T.; FIGUEIREDO, W.S. A Visão dos profissionais sobre a presença e as demandas dos homens nos serviços de saúde: perspectivas para a análise da implantação da política nacional de atenção à saúde do homem. Ciência & Saúde Coletiva. 2012, vol.17, n.10, pp.2617-2626. ISSN 1413-8123. https://doi.org/10.1590/S1413-81232012001000011. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/csc/v17n10/11.pdf acesso em: 04/10/2020. LAKOFF, G.; Women, fire, and dangerous things: what categories reveal about the mind. Chicago: The University of Chicago, 1987. Disponível em: https://pdfs.semanticscholar.org/9c85/d2dd7e6d924a1078fb93cac9baaa8a850d3e.pdf. Acesso em: 25/08/2020. LAURENTI R.; JORGE, M.H.P.M.; GOTLIEB, S.L.D.1998. Perfil epidemiológico da morbi-mortalidade masculina Faculdade de Saúde Pública/USP, São Paulo.Ciência & Saúde Coletiva, 10(1):35-46, 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v10n1/a04v10n1.pdf. Acesso em: 31/03/2020. LAZZARI, D. D.; SCHMIDT, N.; JUNG, W. Educação continuada em unidade de terapia intensiva na percepção de enfermeiras. Revista de Enfermagem da UFSM, v. 2, n. 1, p. 88-96, 2012. Disponível em: <https://periodicos.ufsm.br/reufsm/article/view/4592/3130>. Acesso: 30/09/2020. LEAL, A. F.; FIGUEIREDO, W. S.; NOGUEIRA-DA-SILVA, G. S. O percurso da Política Nacional de Atenção Integral à Saúde dos Homens (PNAISH), desde a sua formulação até sua implementação nos serviços públicos locais de atenção à saúde. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 17, n. 10, out. 2012, p. 2607-2616. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232012001000010&lng=en&nrm=iso Acesso em: 07/10/2020. LEITE, D.F.; FERREIRA, I.M.G.; SOUZA, M.S.; NUNES, V.S.; CASTRO, P.R. A influência de um programa de educação na saúde do homem. O Mundo da Saúde, São Paulo: 2010;34(1):50-56.Disponível: <http://www.saocamilo-sp.br/pdf/mundo_saude/74/06_original_influencia.pdf>. Acesso: 16/08/2020. LIMA, G.D.S.; LIMA, M.P.D. Ações de promoção e prevenção a saúde do homem: uma proposta de intervenção para o aumento da procura masculina por atendimento na unidade básica de saúde. Universidade Federal do Piauí (UFPI), UNA-SUS, 2020. Disponível em: <https://ares.unasus.gov.br/acervo/html/ARES/14826/1/ARTIGO_Gisele_ARES.pdf>. Acesso em: 22/06/2020. LOPES, G. S. S. P.; SARDAGNA, M. C.; IERVOLINO S. A. Motivos que levam os homens a procurar um serviço de pronto atendimento. Revista de Enfermagem, vol. 20, n. 2, p. 151-165 maio/agosto 2017. Disponível em: http://periodicos.pucminas.br/index.php/enfermagemrevista/article/view/16331 Acesso em: 22/07/2020. LUDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A.; Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986. Disponível em: https://moodle.ufsc.br/pluginfile.php/2431625/mod_resource/content/1/Pesquisa%20em%20Educa%C3%A7%C3%A3o%20Abordagens%20Qualitativas%20vf.pdf Acesso em: 25/08/2020. LUMER, S.; RODRIGUES, P.H.A. O papel da saúde da família na atenção às urgências. Revista Atenção Primaria à Saúde. 2011;14(3):289-95. Disponível: <https://periodicos.ufjf.br/index.php/aps/article/view/14607>. Acesso: 19/09/2020. LYRA, J. Gênero, saúde e análise de políticas: caminhos e (des)caminhos. Ciências & Saúde coletiva (Online). 2009 jul. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_ar ttext&pid=S1413-81232009000400005 Acesso: 27/09/2020. MACHIN, R.; COUTO, M.T.; SILVA, G.S.N.D.; SCHRAIBER, L.B.; GOMES, R, S; FIGUEREDO, W.D.; PINHEIRO, T.F. Concepções de gênero, masculinidade e cuidados em saúde: estudo com profissionais de saúde da atenção primária. Ciência &Saúde Coletiva, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v16n11/a23v16n11.pdf. Acesso em: 04/10/2020. MALTA, D.C.; SILVA JUNIOR, J.B. O Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis no Brasil e a definição das metas globais para o enfrentamento dessas doenças até 2025: uma revisão. Epidemiologia e Serviços de saúde. Jan/Mar. 2013. Disponível em: http://scielo.iec.gov.br/pdf/ess/v22n1/v22n1a16.pdf acesso em: 04/10/2020. MARQUES, R. M.; MENDES, A. A política de incentivos do Ministério da Saúde para a atenção básica: uma ameaça à autonomia dos gestores municipais e ao princípio da integralidade? Caderno de Saúde Pública, v. 18, p. 163-171, 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-311X2002000700016&script=sci_abstract&tlng=pt acesso em: 04/10/2020. MARTINS, E.R.C.; MEDEIROS, A.S.; OLIVEIRA, K.L.; FASSARELLA, L.G.; MORAES, P.C; SPINDOLA, T. Vulnerabilidade de homens jovens e suas necessidades de saúde. Esc. Anna Nery Revista de Enfermagem[online]. 2020, vol.24, n.1, e20190203. Epub Jan 13, 2020. ISSN 2177-9465. http://dx.doi.org/10.1590/2177-9465-ean-2019-0203. MARTINS, P.H. Contra a desumanização da medicina: crítica sociológica das práticas médicas modernas. Petrópolis: Vozes; 2003. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232005000300034 Acesso em: 27/09/2020. MÁSSIMO, E.A.L.; SOUZA, H.N.F.; FREITAS, M.I.F. Doenças crônicas não transmissíveis, risco e promoção da saúde construções sociais de participantes do Vigitel. Ciência & Saúde Coletiva. Mar, 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/csc/v20n3/pt_1413-8123-csc-20-03-00679.pdf Acesso em: 04/10/2020. MINISTÉRIO DA SAÚDE (BR), DATASUS. Informações de Saúde. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2007. 48 p. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/saude_brasil_2007.pdf>. Acesso: 25/09/2020. MINISTÉRIO DA SAÚDE (BR), Instituto Nacional do Câncer José Alencar Gomes da Silva. Estimativas de Câncer. Rio de Janeiro: INCA; 2013 [cited 2017 Jan 10]. Disponível em: https://www.inca.gov.br/campanhas/dia-nacional-de-combate-ao-cancer/2013/estimativa-2014-incidencia-de-cancer-no-brasil acesso em: 04/10/2020. MINISTÉRIO DA SAÚDE (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política Nacional De Atenção Integral à Saúde do Homem. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2009. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_atencao_homem.pdf>. Acesso: 25/09/2020. MINISTÉRIO DA SAÚDE (BR), Secretaria Executiva, Subsecretaria de Planejamento e Orçamento. Sistema de Planejamento do SUS: Uma construção coletiva: Plano Nacional de Saúde (PNS) 2008/2009-2011. Brasília (DF): MINISTÉRIO DA SAÚDE; 2010. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/sistema_planejamento_sus_v9.pdf>. Acesso: 25/09/2020. MINISTÉRIO DA SAÚDE, Incentiva pais a fazerem pré – natal masculino.Disponível em: https://www.uol.com.br/tilt/ultimas-noticias/redacao/2010/09/13/ministerio-da-saude-incentiva-pre-natal-masculino.htm Acesso em: 04/10/2020. MINISTÉRIO DA SAÚDE, SIM 2007. Secretaria de Vigilância Sanitária, Departamento de Análise de Situação de Saúde: Sistema de Informações sobre Mortalidade. Brasília, DASIS-SIM, 2007. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/saude_brasil_2007.pdf acesso em: 08/10/2020. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem - princípios e diretrizes. Brasília; 2008. Disponível em :<http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_atencao_homem.pdf>. Acesso: 25/09/2020. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria Executiva. Departamento de Apoio à Descentralização. Coordenação-Geral de Apoio à Gestão Descentralizada. Diretrizes operacionais dos Pactos pela Vida, em Defesa do SUS e de Gestão. Brasília, 2006. Disponível em: https://saude.mppr.mp.br/arquivos/File/volume1.pdf acesso em: 08/10/2020. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico - Vigitel Brasil 2007. Estimativas sobre freqüência e Distribuição sócio-demográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 Estados brasileiros e no Distrito Federal em 2007. Secretaria de Vigilância em Saúde. Série G. Estatística e Informação em Saúde. Disponível em: MIRANDA, T. N.; TEIXEIRA, J. C.; OLIVEIRA, A. C. R.; FERNANDES, R. T. P.; Fatores que influenciam negativamente na assistência integral ao usuário da Atenção Básica na Saúde do Homem. Journal of Health Connections, v. 2, n. 1. p.30-43. 2018. Disponível em: http://www.uel.br/pos/mestradoservicosocial/congresso/anais/Trabalhos/eixo5/oral/8_a_invisibilidade_da_saude....pdfacesso em: 28/03/2020. MONTEIRO, E.M.L.M.; BRADY, C.L.; BRANDÃO NETO, W.; FREITAS, R.B.N.; MORAES, M.U.B. Extensão Universitária: opinião de estudantes do campus saúde de uma instituição pública da região metropolitana de Recife-PE. REME - Revista Mineira de Enfermagem. 2009;13(3):349-57. Disponível em: http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/199 acesso em: 04/10/2020. MOREIRA, M. A. e CARVALHO, C. N. Atenção integral à saúde do homem: estratégias utilizadas por enfermeiras(os) nas unidades de saúde da família no interior da Bahia. Saúde & Transformação Social, 7(3), 121-32, 2016. Disponível: <http://incubadora.periodicos.ufsc.br/index.php/saudeetransformacao/article/view/3660>. Acesso: 19/09/2020. MOREIRA, R. L. S. F., FONTES, W. D.; BARBOZA, T. M. Dificuldades de inserção do homem a atenção básica saúde: a fala dos enfermeiros. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, 18(4), 615-21, 2014. Disponível: <https://www.scielo.br/pdf/ean/v18n4/1414-8145-ean-18-04-0615.pdf>. Acesso: 19/09/2020. MOURA, E.C.; SANTOS, W.; NEVES, A.C.M.; GOMES, R.; SCHWARZ, E. Atenção à saúde dos homens no âmbito da Estratégia de Saúde da Família. Ciência & Saúde Coletiva 2014; 19(2): 429 - 38. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232014000200429 acesso em: 05/10/2020. MOURA, M. C.; SOARES, C. C.; LAGO, E. P.; BATISTA, M. R. F. F.; OLIVEIRA, R. F.; ROCHA, F. C. V.; SITUAÇÃO DA SAÚDE DO HOMEM AO BUSCAR OS SERVIÇOS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE. Revista Interdisciplinar, vol. 10, n. 01, p. 62-70, jan. fev. mar. 2017. Disponível em: https://revistainterdisciplinar.uninovafapi.edu.br/index.php/revinter/article/view/1016 Acesso em: 26/06/2020. MOZER, I.T.; CORRÊA, A.C.P. Implementação da Política Nacional de Saúde do Homem: o caso de uma capital Brasileira. Escola Anna Nery, 2014;18(4):578-585. Disponível: <https://www.scielo.br/pdf/ean/v18n4/1414-8145-ean-18-04-0578.pdf>. Acesso em: 04/07/2020. NASCIMENTO, E.F; GOMES, R; Marcas identitárias masculinas e a saúde de homens jovens. Caderno de Saúde Pública. 2008; 24(7): 1556-64. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-311X2008000700010&script=sci_abstract&tlng=pt Acesso em: 04/10/2020. NEMES FILHO A. A Unidade Básica e o Sistema de Saúde. In: SCHRAIBER LB, NEMES MIB, Mendes-Gonçalves RB, organizadores. Saúde do Adulto: programas e ações em unidade básica. 2ª ed. São Paulo: Hucitec; 2000. p. 276-286 Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_nlinks&ref=000138&pid=S1413-8123201100070003000013&lng=en Acesso em: 27/09/2020. NOLASCO, Sócrates. De Tarzan a Homer Simpson: banalização e violência masculina em sociedades contemporâneas. Ed. Rocco. Rio de Janeiro, 2001. Disponível em: http://www.mpce.mp.br/wp-content/uploads/2018/03/O-Apagao-da-Masculinidade-S%C3%B3crates-Nolasco.pdf Acesso em: 04/10/2020. NUNES, G.B.L; BARRADA, L.P.; LANDIM, A.R.E.P. Conceitos e práticas dos enfermeiros da estratégia saúde da família: saúde do homem. Revista Baiana de Enfermagem, Salvador, v. 27, n. 1, p. 13-20, jan./abr. 2013.Disponível em: <https://portalseer.ufba.br/index.php/enfermagem/article/view/6887/6784>. Acesso em: 23/04/2020. OITICICA, R.M. Proposta de intervenção para o aumento da procura da população masculina por atendimento na unidade do saúde da família de Campo Grande.[Tese]. Maceió – AL, Universidade de Minas Gerais; 2016. Disponível em: <https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/proposta_interven%C3%A7ao_aumento_procura_popula%C3%A7ao.pdf>. Acesso: 25/09/2020 OLIVEIRA, M.M.; DAHER, D.V.; SILVA, J.L.L.; ANDRADE, S.S.C.A. A saúde do homem em questão: busca por atendimento na atenção básica de saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 20(1):273-278, 2015. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/csc/v20n1/pt_1413-8123-csc-20-01-00273.pdf>. Acesso em: 04/07/2020. OPS, 2003. Situación de la salud en las Américas. Indicadores e dados básicos. (OPS/AIS/03.01). Disponível em: <https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/42822/9243562436.pdf;jsessionid=3BB39FB0892A28DDFCFDA4D7CECB85D0?sequence=1>. Acesso em: 05/04/2020. PALMEIRA, S. S; PEREIRA, T. M; ALMEIDA, T. L; SOUSA, A. R; ALENCAR, D. C. Resolubilidade dos Serviços ofertados na Estratégia Saúde da Família: discurso de homens. Saúde em Redes, vol. 04 n. 04, 2018. Disponível em: http://revista.redeunida.org.br/ojs/index.php/rede-unida/article/view/1836 acesso em: 08/10/2020. PASCHOALICK, R. C.; RIBEIRO, L. M.; CENTA, M. de L. Gênero masculino e saúde. Cogitare Enfermagem, v. 11, n. 1, 2006. Disponível em: <https://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/5979/4279>. Acesso: 30/09/2020. PEREIRA, M. C. A; BARROS, J. P. P; PÚBLICOS MASCULINOS NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA: ESTUDO QUALITATIVO EM PARNAÍBA-PI. Psicologia & Sociologia [online]. 2015, vol.27, n.3, pp.587-598. ISSN 1807-0310. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-71822015000300587&script=sci_abstract&tlng=pt acesso em: 08/10/2020. PEREIRA, P.L.; NERY, A.A. Planejamento, gestão e ações à saúde do homem na estratégia de saúde da família. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem 18(4) out-dez 2014. Disponível: <https://www.scielo.br/pdf/ean/v18n4/1414-8145-ean-18-04-0635.pdf>. Acesso: 04/07/2020. PEREIRA, V.A.; NEVES, G.M.C. A participação do homem/pai na vida da mulher e do filho no período do puerpério. In: 9º Seminário Internacional Fazendo Gênero - Diásporas, Diversidades, Deslocamentos; 2010 agosto 23 – 26; Florianópolis – SC. UFSC; 2014. 1–8. Disponível em: http://www.fazendogenero. ufsc.br/9/resources/anais/1278282847_ARQUIVO_TRABALHOCOMPLETOHOMENSPAISAUDREYVIDAL.pdf. Acesso em: 26/09/2020. PESAMOSCA LG, FONSECA AD, GOMES VLO. Percepção de gestantes acerca da importância do envolvimento paterno nas consultas pré-natal: um olhar de gênero. REME – Revista Mineira de Enfermagem. [Internet]. 2008; 12(2): 182-88. Disponível em: http://www.reme.org.br/artigo/ detalhes/255. Acesso em: 26/09/2020. PINHEIRO R. S.; VIACAVA, F.; TAVASSOS, C.; BRITO, A.S. Gênero, morbidade, acesso e utilização de serviços de saúde no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 7, n. 4, 2002, p. 687-707. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232002000400007&script=sci_abstract&tlng=pt acesso em: 08/10/2020. POLIT, D. F.; BECK C. T.; Using research in evidence-based nursing practice. In: Polit DF, Beck CT, editors. Essentials of nursing research. Methods, appraisal and utilization. Philadelphia (USA): Lippincott Williams & Wilkins; 2006. p.457-94. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/27702222/ Acesso em: 25/08/2020. RABELLO, L. S. Promoção da saúde: a construção social de um conceito em perspectiva comparada. 22. ed. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2010. Disponível em: <https://www.arca.fiocruz.br/bitstream/icict/37577/3/rabello-9788575413524.pdf>. Acesso: 25/09/2020. RAMALHO, M.; ALBUQUERQUE, A.; MAIA, J.; PINTO, M.; SANTOS, N. Dificuldades na implementação da política nacional de atenção integral à saúde do homem. Ciência, Cuidado e Saúde, 2014, 13(4):642-49. Disponível em: : http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/Cien%20cCuidSaude/article/view/18420/pdf_244 . Acesso: 02/10/2020. REBERTE, L.M.; HOGA, L.A.K. A experiência de pais participantes de um grupo de educação para saúde no pré-natal. Revista Ciência y Enfermería [Internet]. 2010; 16(1): 105-14. Disponível em: http://www.scielo.cl/ pdf/cienf/v16n1/art_12.pdf. Acesso em: 26/09/2020. RIBEIRO, C.R.; GOMES, R.; MOREIRA, M.C.N. Encontros e desencontros entre a saúde do homem, a promoção da paternidade participativa e a saúde sexual e reprodutiva na atenção básica. Physis Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 27 [1]: 41-60, 2017. Disponível em: <https://www.scielosp.org/pdf/physis/2017.v27n1/41-60/pt>. Acesso: 26/09/2020. SALIMENA, A. M.; SACRAMENTO, L. C.; SALIMENA, A. M. O.; GRECO, R. M.; PASCHOALIN, H. C.; SAÚDE DO HOMEM E ATENÇÃO PRIMÁRIA: O OLHAR DA ENFERMAGEM. Revista de Atenção Primária à Saúde, vol. 16, n. 1, p. 50-59 jan/mar 2013. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/aps/article/view/14889 Acesso em: 22/07/2020. SANTOS, R. M.; RIBEIRO, L. C. C. Percepção do usuário da estratégia saúde da família sobre a função do enfermeiro. Cogitare Enfermagem, v. 15, n. 4, p. 709-715, 2010. Disponível em: <https://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/20373>. Acesso: 30/09/2020. SANTOS, Z.M.S.A.; LIMA, H.P. Tecnologia educativa em saúde na prevenção da hipertensão arterial em trabalhadores: análise das mudanças no estilo de vida. Texto Contexto Enfermagem. 2008;17(1):90-7. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/tce/v17n1/10.pdf>. Acesso: 25/09/2020. SCHRAIBER, L.B., FIGUEIREDO, W.S., GOMES, R., COUTO, M.T., PINHEIRO, T.F., MACHIN, R., et al. Necessidades de saúde e masculinidades: atenção primária no cuidado aos homens. Cadernos de Saúde Pública. v. 26, n. 5, p. 961-70, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v26n5/18.pdf. Acesso em: 01/04/2020. SCHRAIBER, L.B., GOMES, R., COUTO, M.T. Homens e saúde na pauta da saúde coletiva. Ciência & Saúde Coletiva [Internet]. 2005 [citado 2015 jul 5];10(1):717. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v10n1/a02v10n1.pdf. Acesso em: 02/04/2020. SILVA, A.N.; SILVA, S.A.; SILVA, A.R.V.; ARAÚJO, T.M.E.; REBOUÇAS, C.B.A.; NOGUEIRA, L.T. Primary care assessment from a male population perspective. Revista Brasileira de Enfermagem [Internet]. 2018;71(2):236-43. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0651 Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/reben/v71n2/pt_0034-7167-reben-71-02-0236.pdf acesso em: 04/10/2020. SILVA, F.C.B.; BRITO, R.S. Percepção de gestantes acerca das atitudes do companheiro diante da sua ausência no pré-natal. Rev. RENE. [Internet]. 2012; 11(3): 95–102. Disponível em: http://www. revistarene.ufc.br/vol11n3_pdf/a10v11n3.pdf. Acesso em: 26/09/2020. SILVA, P.A.S., FURTADO, M.S., GUILHON, A.B., SOUZA, N.V.D.O., DAVID, H.M.S.L. A saúde do homem na visão dos enfermeiros de uma unidade básica de saúde. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, 2012 jul.-set [citado 2015 jul. 5];16(3):561-8. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ean/v16n3/19.pdf. Acesso em: 02/04/2020. SILVA, P.N. Gênero masculinidade e saúde do homem: a representação social do agente comunitário de saúde. Belo horizonte. [Tese], Fundação Oswaldo Cruz; 2015. Disponível em: <https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/10738>. Acesso: 25/09/2020. SIQUEIRA, B.P.J.; TEIXEIRA, J.R.B.; NETO, P.F.V.; BOERY, R.N.S.O.; VILELA, A.B.A. Homens e cuidado à saúde nas representações sociais de profissionais de saúde. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem 18(4) out-dez 2014. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/ean/v18n4/1414-8145-ean-18-04-0690.pdf>. Acesso: 22/08/2020. SOUSA, A.R.; QUEIROZ, A.M., FLORENCIO, R.M.S.; PORTELA, P.P.; FERNANDES, J.D.; PEREIRA, A. Homens nos Serviços de Atenção Básica à Saúde: repercussões da construção social das masculinidades, Revista Baiana de Enfermagem, Salvador, v. 30, n. 3, p. 1-10, jul./set. 2016. Disponível em: https://portalseer.ufba.br/index.php/enfermagem/article/view/16054/pdf_76. Acesso em: 07/03/2020. SOUZA, E. C. F. et al. Acesso e acolhimento na atenção básica: uma análise da percepção dos usuários e profissionais de saúde. Caderno de Saúde Pública, v. 24, n. 1, p. 100-110, 2008. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/csp/v24s1/15.pdf acesso em: 04/10/2020. SOUZA, L.P.S.; ALMEIDA, E.R.; QUEIROZ, M.A.; SILVA, J.R.; SOUZA, A.M.; FIGUEIREDO, M.F.S. Conhecimento de uma equipe da estratégia saúde da família sobre a Política de Atenção à Saúde Masculina. Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, v.12 n.2, p.291-304, maio/ago.2014. Disponível: https://www.scielo.br/pdf/tes/v12n2/a05v12n2.pdf>. Acesso: 24/05/2020. STARFIELD B. Atenção Primária: equilíbrio entre necessidade de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: Ministério da Saúde; 2002. Disponível em: https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/0253.pdf acesso em: 05/10/2020. STORINO, L. P.; SOUZA, K. V.; SILVA, K. L.; NECESSIDADES DE SAÚDE DE HOMENS NA ATENÇÃO BÁSICA: ACOLHIMENTO E VÍNCULO COMO POTENCIALIZADORES DA INTEGRALIDADE. Escola Anna Nery, vol. 17, n.4, p. 638-645, 2013. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ean/v17n4/1414-8145-ean-17-04-0638.pdf Acesso em: 22/08/2020. TEIXEIRA, D. C.; BRAMBILLA, D. K.; ADAMY, E. K. ; KRAUZER, I. M. Concepções de enfermeiros sobre a política nacional de atenção integral à saúde do homem. Trabalho, Educação e Saúde. 2014, vol.12, n.3, pp.563-576. ISSN 1981-7746. https://doi.org/10.1590/1981-7746-sip00009. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1981-77462014000300563&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso: 08/10/2020. TORREY, B.B., KIURELLA, K & TAEUBER, C.M., 1987. An aging world. Washington, DC US Government Printing Office (US Bureau of the Census, International Population Reports). Disponível em: <https://books.google.com.br/books?hl=pt-BR&lr=&id=UvKPdFIvU54C&oi=fnd&pg=PR6&ots=1zP07RJ7Fl&sig=1nT-qu4mn00nVyQd9wic5PLn4ag&redir_esc=y#v=onepage&q&f=false>. Acesso em: 15/04/2020. TRILICO, M.L.C.; OLIVEIRA, G.R.; KIJIMURA, M.Y.; PIROLO, S.M. Discursos masculinos sobre Prevenção e Promoção da Saúde do Homem. Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, v.13 n.2, p.381-395, maio/ago.2015. Disponível em: <https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1981-77462015000200381&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 24/05/2020. VAN NOSTRAND, J.F., FURNER, S.E., & SUZMAN, R. (EDS.) 1993. Health data on older Americans: United States, 1992. Hyattsville, Maryland, National Center for Health Statistics.Vital and Health Statistics, Series, 3, nº 27. Disponível em: <https://www.cdc.gov/nchs/data/series/sr_03/sr03_027.pdf>. Acesso em: 15/04/2020. VIEIRA, K.L.D; GOMES, V.L.D.O; BORBA, M.R; e COSTA, C.F.D.S. Atendimento da população masculina em unidade básica saúde da família: motivos para a (não) procura. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, 2013, 17(1), 120-7. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ean/v17n1/17.pdf. Acesso em: 24/03/2020. VIEIRA, L.J.E.S.; SANTOS, Z.M.S.A.; LANDIM, F.L.P.; CAETANO, J.A. Prevenção do câncer de próstata na ótica do usuário portador de hipertensão e diabetes. Revista Ciências & Saúde coletiva, 2008;13 (1):145-52. Disponível: <https://www.scielo.br/pdf/csc/v13n1/18.pdf>. Acesso: 25/09/2020 VIEIRA, M. M. F.; ZOUAIN, D. M.; Pesquisa qualitativa em administração: teoria e prática. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2005. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-65552007000200013 Acesso em: 25/08/2020. WORLD HEALTH STATISTICS 2012. Geneva (SUI): WHO 2012. Disponível em: https://www.who.int/gho/publications/world_health_statistics/EN_WHS2012_Full.pdf. Acesso em: 26/09/2020. WORLD HEALTH ORGANIZATION. What about boys? A literature review on the health and development of adolescent boy. World Health Organization, Washington. 2000. Disponível em: https://apps.who.int/iris/handle/10665/66487 acesso em: 08/10/2020. XAVIER, A.S. Promoção e prevenção a Saúde do homem na unidade de saúde da família do Barro vermelho. [Tese]. Maceió/AL, Universidade de Minas Gerias; 2015. Disponível em: https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/4982.pdf. Acesso: 25/09/2020.pt_BR
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/4620418097515592pt_BR
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/8259173131362429pt_BR
Aparece nas coleções:TCC Enfermagem

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
TCC III - ANNA & RAYSSA versão final.docxREVISÃO DE LITERATURA: ANÁLISE DA RESISTÊNCIA DO HOMEM AOS SERVIÇOS DE ATENÇÃO PRIMÁRIA E AS CONTRIBUIÇÕES DO ENFERMEIRO.214,26 kBMicrosoft Word XMLVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.

Ferramentas do administrador